Studio Davini Castro traz dicas e inspirações para áreas externas

Alguns cuidados são essenciais para aproveitar, sem dores de cabeça, a energia do verão

Para essa cobertura com vista privilegiada da cidade, a arquiteta Luizette Davini e o designer Rogério Castro apostaram em uma piscina revestida com pedras Hijau e borda de granito levigado. Possui iluminação cênica, com sistema de LEDs multicoloridos. Foto: divulgação

O verão está chegando e esse ano, mais do que nunca, é tempo de aproveitar o sol e toda a energia da estação nas áreas de lazer dentro de casa! Por isso, projetos bem pensados, que priorizam o refresco e comodidade, são essenciais – tanto para garantir conforto, quanto para evitar dores de cabeça. Pensando nisso, a arquiteta Luizette Davini e o designer Rogério Castro, do Studio Davini Castro, uniram diversas dicas para ajudar na hora de compor uma área externa.

Segundo os sócios, planejar os espaços com antecedência é essencial. “Uma área externa pode ter diversos usos e é importante tê-los em mente. Um espaço de relaxamento pede por peças diferentes de uma área gourmet, por exemplo”, pontua Luizette. Independente da finalidade, porém, a arquiteta aponta que os materiais devem ser resistentes, uma vez que sofrem constantemente com as intempéries, como sol, chuva e vento. “Prefira pedras, concreto e madeira com tratamento específico para áreas externas”, indica. “Para o piso, especialmente ao redor da piscina, prefira opções antiderrapantes, que garantem segurança, e atérmicos”, complementa.

Para a área de lazer da mesma cobertura, em São Paulo, o Studio Davini Castro projetou um espaço gourmet que se integra com a área externa. Foto: divulgação

Atenção e cuidado na hora de escolher os mobiliários e o material que são feitos também é muito importante. “Como eles também sofrem com a ação do tempo, devem ser resistentes. Dê preferência para os de alumínio, cordas náuticas, fibras naturais e madeira, desde que tenha o tratamento adequado”, diz Rogério Castro. Para a madeira, o designer indica a aplicação de stein, que funciona como um verniz e protege o material. “Ainda assim, eles funcionam melhor em áreas externas recobertas”, explica. Para os tecidos, opte por aqueles impermeáveis – com proteção UVA/UVB – resistentes a ação do tempo, com acabamento antimicrobiano e que não propagam o calor

Além dos materiais, considerar a estética e conforto faz toda a diferença para criar uma área externa e de lazer agradável. “Cores claras são perfeitas e esquentam menos. O azul também é uma ótima opção, trazendo um estilo navy”, indica. Para a composição, Rogério sugere dispor os móveis sobre um pequeno deck ou em espaços delimitados por pisos drenantes e pedriscos. “A composição circular privilegia as conversas nas horas de relaxamento”, pontua.

Para complementar, é impossível pensar em uma área externa sem falar sobre o paisagismo – especialmente atualmente, em que o conceito de biofilia está cada vez mais presente nos projetos de interiores. “Plantas trazem frescor e vida aos ambientes, além de oferecer conforto térmico e sombreamento”, explica Luizette Davini. A natureza também pode estar mais próxima com o uso de materiais naturais, seja na estrutura ou nos mobiliários.

Rústico, esse projeto do Studio Davini Castro contou com área externa com churrasqueira, forno a lenha e piscina. Tijolo aparente, concreto e madeira imperam, ao passo que a piscina ganhou revestimento de manta vinílica. Foto: divulgação

Por fim, Luizette aponta a importância de considerar um bom projeto luminotécnico para as áreas de lazer ou externas, permitindo que elas sejam aproveitadas mesmo durante a noite. “A iluminação transforma um ambiente e pode ser explorada de diversas formas, até mesmo na piscina”, afirma. Luzes indiretas são mais aconchegantes e, portanto, recomendadas. “Em áreas gourmet, por exemplo, considere pontos de iluminação mais intensa na pia e bancada”, complementa.

Veja Também

Política do aluguel social deve ser lançada no segundo semestre

Previsão é do secretário Nacional de Habitação, Alfredo dos Santos No Brasil, o déficit habitacional …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *